ECOFLEX-B 3G na Rodovia SC-480

Na obra da SC-480 foi utilizada a terceira geração do ECOFLEX B 3G, o qual permitiu à Construtora Castellar usinar o asfalto borracha em temperaturas equivalentes ao CAP 50/70, através da redução de 20ºC na temperatura da brita.

O que veio ao encontro da economia de combustíveis e energia, além de se evitar o choque térmico e consequentemente, perda das frações leves que compõe o ligante asfáltico, ato este que ocorre corriqueiramente quando ligante encontra a brita no misturador.

O uso do ECOFLEX B 3G minimiza envelhecimento precoce da mistura através preservação dos maltenos e demais componentes do ligante betuminoso. Outro benefício que se constata na da otimização da produção da massa asfáltica e sua compactação em pista, além da redução na emissão de poluentes inerentes à produção da massa asfáltica com materiais às altas temperaturas.

Com isso tudo, vale ressaltar o fator mais importante no uso dessa tecnologia em que se pode reduzir a temperatura de operação das massas asfálticas: A preservação da saúde dos trabalhadores, os quais deixam ficar expostos aos fumos inerentes a atividade da pavimentação.


Nesta obra a reestruturação de sua infraestrutura se deu com reciclagem de base com cimento, sendo que sobre essa foi aplicado um Tratamento Superficial Duplo – TSD para retenção das trincas de retração, que porventura venha a incidir na base cimentada. Sobre o TSD , foi aplicada uma reperfilagem com Concreto Betuminoso a Quente – CBUQ confeccionado com asfalto modificado por pó moído de pneus inservíveis, o ECOFLEX B 3G, da GRECA Asfaltos, na espessura de 2,0 cm compactados.

Em outro seguimento da mesma via, mas precisamente na saída de São Lourenço do Oeste sentido São Domingos, foi aplicado num trecho de 3 km, um CBUQ com ECOFLEX B 3G numa faixa descontínua chamada GAP GRADED para avaliação dos projetistas, consultores e corpo técnico.

Leia a matéria completa no informativo Fatos&Asfaltos nº26

Deixe uma resposta