Cuidados com as emulsões asfálticas

Cuidados com as emulsões asfálticas

Como todo e qualquer produto, as Emulsões Asfálticas necessitam de atenção especial durante sua estocagem e manuseio, que devem ser seguidos para que se obtenha um desempenho ideal.

Estocagem de esmulsões asfálticas

Sendo as emulsões asfálticas o produto da fina dispersão de CAP (Cimento Asfáltico de Petróleo) em água, dispersão esta que é garantida pela presença de emulsificantes, as emulsões asfálticas requerem cuidados próprios devido às características que apresenta durante a estocagem. Confira a seguir algumas dicas para garantir a qualidade do seu produto.

Descarregamento em tanques de estocagem

Devido às características das emulsões asfálticas, recomenda-se que o descarregamento das carretas de transporte em tanques se dê pela parte inferior dos mesmos, através de uma bomba. Nos casos de descarregamento pela parte superior dos tanques, poderá ocorrer desestabilização da emulsão, levando à formação de peneira e, em casos mais extremos, à ruptura da emulsão dentro do tanque.

Formação de capa (casca)

Durante a estocagem, as emulsões asfálticas tendem a formar uma capa em sua superfície. Essa capa é resultado da reação da emulsão com o ar atmosférico, ela age como barreira protetora para as emulsões. Uma vez formada, opera como uma espécie de teto flutuante, subindo e descendo de acordo com a variação do nível do tanque de estocagem, mantendo assim a emulsão protegida da ação do ar e o produto abaixo da casca mantém se inalterado.

Aquecimento

As emulsões são produtos que devem ser estocados em temperatura ambiente, independentemente de seu tipo ou, ainda, das características do serviço em que será empregada.

Diluição

Emulsões asfálticas diluídas não devem ser estocadas. Para aqueles serviços cuja diluição é recomendada, deve ser prevista a diluição da quantidade exata a ser utilizada. Sobras de emulsões diluídas nunca devem ser descarregadas (misturadas) sobre emulsões estocadas em tanques, pois emulsões diluídas tendem a ser instáveis e podem, a qualquer momento, romper.

Manuseio: Emulsões Mornas

Emulsões para serviços de PMF (Pré-misturados a Frio), quando recebidas a temperaturas acima da ambiente (mornas), tendem a apresentar tempo de mistura/usinagem menor.

Diluição

Recomenda-se, para os serviços executados com emulsões diluídas, que antes da diluição seja efetuada uma verificação de compatibilidade da emulsão com a água a ser utilizada. Essa verificação nada mais é do que uma diluição em pequena escala. A diluição deve ser sempre água sobre emulsão e nunca emulsão sobre água.

Aquecimento

Para os serviços de Pré-misturado a Frio (PMF) não se recomenda o aquecimento das emulsões, independente do tipo de emulsão utilizada. Já para os serviços onde se recomenda o aquecimento da emulsão, este nunca deve ultrapassar 60ºC. Este cuidado deve ser tomado, pois ao serem aquecidas, as emulsões sofrem desestabilização e podem levar à ruptura da emulsão dentro dos equipamentos de aplicação e estocagem.

Mistura

Nunca misturar tipos diferentes de emulsões asfálticas, salvo instruções do distribuidor.

Recirculação

É recomendada a circulação das emulsões tipo RM, RL e RR-1C, por propiciar uma homogeneidade e promover a longevidade do produto. Já as emulsões tipo RR-2C devem ser circuladas com moderação, pois quando agitadas vigorosamente, tendem a sofrer queda de viscosidade.

Usina de PMF

Após a jornada de trabalho recomenda-se manter bombas e tubulações limpas (isentas de produto).


Engº Wander Omena – Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento GRECA Asfaltos

Leia a matéria completa no informativo Fatos&Asfaltos nº18